[Guilherme Garnier] Sprites automáticos com Compass

Um dos temas mais atuais no desenvolvimento web é a otimização de sites. A motivação para reduzir o tempo de carregamento das páginas vem não só de estudos que mostram que quando maior o tempo de carregamento, maior o número de usuários que abandonam o site, mas também do fato de que o Google considera o tempo de resposta na criação do PageRank.

Um dos itens mais importantes ao otimizar um site, de acordo com Steve Souders, é diminuir o número de requests. Um recurso muito útil para isso é a criação de sprites, ou seja, um único arquivo contendo várias imagens que são utilizadas no site. Nos locais que fazem referência a estas imagens, são definidos a largura, altura e offset do sprite. Desta forma, é feito um único request para obter todas as imagens. O uso de sprites é muito comum em grandes sites como Twitter, Facebook, Google e Yahoo.

A criação de um sprite manualmente é uma tarefa bem trabalhosa. É necessário criar uma imagem utilizando uma ferramenta como o Photoshop, por exemplo, e colar cada imagem uma abaixo (ou ao lado) da outra, deixando alguns pixels entre imagens. Sempre que se quiser adicionar uma nova imagem, será necessário abrir o sprite novamente no Photoshop e repetir o processo para inserir a nova imagem.

Para simplificar esta tarefa, é possível utilizar uma ferramenta para geração automática de sprites. Uma das melhores ferramentas para isso é o Compass. Após instalar e configurar, basta colocar as imagens num diretório e o sprite será gerado automaticamente. A instalação num projeto Rails é extremamente simples, e está bem explicada no help do Compass.

A configuração básica do Compass para geração de sprites segue o padrão abaixo:

$imagens-spacing: 2px
$imagens-sprite-dimensions: true
@import "imagens/*.png"

No exemplo acima, todas as propriedades são configuradas com o prefixo imagens. O sprite é configurado com espaçamento de 2 pixels entre cada imagem, para evitar sobreposição no limite entre as imagens. A segunda linha habilita a inclusão das dimensões das imagens no CSS gerado, o que é útil para manter fixo o tamanho ocupado pela imagem enquanto ela é carregada. A terceira linha informa quais imagens serão adicionadas. Neste caso, são todas as imagens com extensão png que estão no diretório imagens. É importante lembrar que o nome deste diretório deve ser igual ao prefixo utilizado nas propriedades.

Além de gerar o sprite, o Compass cria classes CSS para referenciar cada imagem. Os nomes das classes começam com o prefixo utilizado acima, seguido por hífen e o nome da imagem sem extensão. Por exemplo, para uma imagem chamada excluir.png, a classe teria o nome imagens-excluir.

O uso as imagens do sprite no seu CSS pode ser feito de duas formas: usando diretamente as classes criadas pelo Compass (como imagens-excluir, no exemplo anterior) ou utilizando um mixin do Compass no seu arquivo Sass:

.minha-classe { @include imagens-sprite(excluir); }

Ao utilizar uma destas configurações, a imagem será configurada como background do elemento.

Para criar um segundo sprite, para a parte administrativa da aplicação, por exemplo, é necessário utilizar um prefixo diferente, como no exemplo abaixo:

$imagens-admin-spacing: 2px
$imagens-admin-sprite-dimensions: true
@import "admin/imagens-admin/*.png"

Neste exemplo, as imagens do sprite estão no diretório admin/imagens-admin, e o prefixo segue o nome do último diretório (imagens-admin). Isso significa que, no exemplo acima, não seria possível manter o sprite do admin em admin/imagens, pois haveria conflito de nomes com o outro sprite.

Os sprites gerados pelo Compass são arquivos png que tem como nome o prefixo utilizado na configuração seguido por um hash (ex: imagens-b03bdb7a79370e7ff107e7b37fe7df6e.png). Quando o sprite é modificado (em ambiente de desenvolvimento o Compass verifica automaticamente a cada request se alguma imagem foi adicionada ou removida, e em produção é necessário executar um rake task para isso), o Compass gera um novo hash para o nome do arquivo. Isto é feito para evitar que o sprite seja cacheado pelo browser. Se isso acontecesse, o browser não buscaria o sprite atualizado, mantendo o arquivo anterior.

Os exemplos descritos acima descrevem apenas as configurações básicas para geração de sprites. A documentação de sprites traz mais detalhes sobre as opções de configuração. Além disso, o Compass tem muitas outras funcionalidades. Vale a pena pesquisar a referência no site do Compass para mais detalhes.

Posts relacionados: