[Rafael Silva Pereira] TV Digital e a Interatividade, Portabilidade e Mobilidade

Para quem ainda não sabe, amanhã, dia 16/06, a TV Globo inicia sua transmissão de TV Digital para o Rio de Janeiro, durante a exibição do Jornal Nacional. Depois de mais de 5 anos de muita burocracia governamental finalmente estamos implantando o novo sistema, processo que deve demorar, pelo menos, mais uns dois anos para ter toda a cobertura que a TV analógica possui hoje (99% do território nacional). A pergunta que me faço neste momento é quais serão as reais vantagens do SBTVD, além do ganho de qualidade é claro, considerando o grande atraso no processo de definição/implantação.

O comitê para definição do SBTVD foi criado em 2003 com o objetivo de pesquisar os padrões existentes e escolher um para utilização no Brasil. Depois de muita pesquisa e discussão, chegou-se a conclusão de que o ISDB-T (padrão de TV Digital Terrestre do Japão) era o que oferecia as melhores condições, já que possuía características que permitiam a recepção por dispositivos móveis e portáteis. Porém, o ISDB-T utilizava o MPEG-2 como codec de vídeo, e, devido a demora na definição do padrão brasileiro, já existia uma corrente muito forte em prol da utilização do H.264 como codec de vídeo, devido a melhor eficiência em relação ao MPEG-2. Foi então que decidiu-se pela criação de um sistema híbrido, utilizando a modulação ISDB-T com o H.264 como algoritmo de compressão de vídeo. Esta, no meu ponto de vista, foi a única vantagem de termos demorado tanto em definir um padrão de TVD.

Entretanto, a interatividade, uma das grandes vantagens da TVD além da qualidade, está praticamente esquecida, e, pelo ritmo que as coisas caminham, ainda vai demorar muito para que funcionalidades descentes sejam implementadas. A ausência de um processo interativo mais estruturado na TV acaba abrindo caminho para a expansão da distribuição de vídeo na internet, que já lida com este processo de interação desde seu nascimento, e que ainda pode evoluir bastante.

O problema é que quando a interatividade finalmente chegar à TV pode ser tarde demais. Dizer que a TV vai acabar e que o consumo de conteúdo em vídeo será realizado via internet é ser um tanto quanto radical. Na verdade, acredito em um processo de convergência, onde os grandes broadcasters continuarão gerando conteúdo, que será consumido e distribuído de diversas formas. A única certeza que eu tenho é que o modelo comercial que temos hoje será completamente substituído, já que o processo de consumo de conteúdo será alterado.

Com relação à mobilidade e portabilidade, acredito que a distribuição de vídeos via redes de dados 3G irá predominar sobre a TVD por dois motivos: primeiro, porque as redes 3G já estão sendo implantadas, e existe uma demanda forte que impulsiona a expansão; segundo, pelo processo de consumo “on demand” que já existe na internet e que esta sendo expandido para experiências mobile, e que faz muito mais sentido em relação ao modelo de distribuição da TV, do ponto de vista de consumo de conteúdo em celulares.

Resumindo, é necessário uma mudança de mentalidade daqueles que hoje lidam com TV para que seja possível aproveitar de forma ampla os benefícios que a TV Digital nos oferece, atendendo assim as expectativas de consumo do mercado. Caso contrário, a TV irá perder cada vez mais sua força, abrindo caminho para novas possibilidades e experiências que ela não é capaz de suprir.